sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Realidade Chocante!!!


Fotógrafo registra mulheres com obesidade mórbida em poses artísticas e provocantes


Fotógrafo já está preparado para comentários inapropriados Foto: Reprodução/ The Sun
Extra
Tamanho do texto A A A
Dizem que as câmeras engordam um pouquinho, mas isso não faria muita diferença para essas modelos com obesidade mórbida. O fotógrafo italiano Yossi Loloi, de 36 anos, capturou-as para o seu projeto ‘FullBeauty’, que tem como objetivo transformar a noção de beleza e da forma na moda. Uma prévia do ensaio foi publicada pelo The Sun.
Yossi Loloi registrou momentos de intimidade
Yossi Loloi registrou momentos de intimidade Foto: Reprodução/ The Sun
Cada uma dessas mulheres pesa pelo menos 190 kg - as mais pesadas chegam a quase 300 kg - e não se esconderam diante das lentes. O fascínio de Yossi com mulheres grandes começou em 2006, quando ele passou a registrar essas imagens provocantes.
- Eu queria mostrar que a beleza não é propriedade de pessoas magras. Para este fim, o projeto teve que ser provocativo, mas ao mesmo tempo confortável, por isso eu foquei na feminilidade das mulheres como uma forma de protesto contra a discriminação - disse o fotógrafo ao The Sun.
As mulheres fotografadas têm de 190 a 300 quilos
As mulheres fotografadas têm de 190 a 300 quilos Foto: Reprodução/ The Sun
Entre lustres: ambientes confortáveis foram usados para ensaio
Entre lustres: ambientes confortáveis foram usados para ensaio Foto: Reprodução/ The Sun
- Minha intenção era mostrar mulheres obesas de uma forma que seria difícil para as pessoas criticarem. A ideia é mostrá-las em sua própria intimidade, criando uma sensação de libertação e de serenidade. Eu estava mais interessado em mostrar essas mulheres como uma representação e não necessariamente como quem elas são na vida real. Para mim eles são esculturas humanas - diz ele.
O fotógrafo já está preparado para que seu projeto seja julgado não só pelo mérito artístico, mas de forma errada por muitos espectadores.
Para o fotógrafo, elas são esculturas humanas
Para o fotógrafo, elas são esculturas humanas Foto: Reprodução/ The Sun
- Entristece-me, por vezes, que as pessoas pensem na ‘questão da saúde’, em vez de tentar entender a imagem. Isso mostra como estamos culturalmente estragados. Por isso o meu trabalho como artista: para despertar outros sentimentos, sejam eles de indignação ou admiração. Com ‘FullBeauty’ estou tentando ressaltar que todos nós temos o direito de ser apreciados do jeito que somos e que não deve haver nenhuma ditadura do gosto.
A ideia do fotógrafo é mostrar que beleza não é propriedade das magras
A ideia do fotógrafo é mostrar que beleza não é propriedade das magras Foto: Reprodução/ T


Leia mais: http://extra.globo.com/mulher/fotografo-registra-mulheres-com-obesidade-morbida-em-poses-artisticas-provocantes-7108171.html#ixzz2FgIFw271



Minha opinião sobre a matéria, é chocante sim, mas porra é a realidade de muitas pessoas, um dia foi a minha e dela nunca mais quero fazer parte, admiro muito essas mulheres por ter a coragem de dar a cara pra bater, parabéns ao fotografo pela iniciativa, e elas por mostrarem o corpo doente.
Obesidade é uma doença!!!

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Bebidas Alcoólicas após o BPGYR


Qualquer pessoa que for ingerir bebidas alcoólicas deve fazê-lo com moderação. Quem se submeteu a uma cirurgia bariátrica deve tomar mais cuidado ainda. 
1- Bebida alcoólica é sempre muito calórica e pode comprometer a perda de peso desejada. Quem bebe 7 latas de cerveja por semana ganha cerca de 10 kg de peso por ano. Cerveja é também carboidrato em forma liquida. 
2- O efeito da bebida alcoólica é mais rápido, mais intenso e dura mais tempo em quem se submeteu ao Bypass gástrico. Quem é operado quase não tem desidrogenase alcoólica, a enzima que ajuda a metabolizar o álcool ingerido e mulher tem menos ainda. 
3- Bebida alcoólica dificulta a absorção de algumas vitaminas, principalmente as do complexo B. O consumo freqüente de bebidas pode levar à deficiência de Vit. B1 (tiamina), que pode produzir uma doença chamada Beribéri (dor nas pernas, dificuldade para andar, problemas de memória, vômitos e até insuficiência cardíaca)
4- Se for beber, não dirija.

Dr. Orlando Pereira Faria


Fonte:
|Grupo|    http://facebook.com/groups/CirBariatric
|Página|   http: //facebook.com/CirBariatric

PS> essa dica serve para também quem está apenas querendo perder peso, beber menos ajuda!

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

02 anos de cirurgia!!!

02 anos de Gastroplastia, 02 anos de uma nova vida, hoje posso caminhar sem me cansar, posso comer com mais qualidade, claro que não deixei de comer nada que eu gosto, mas hoje me alimento melhor.
Antes eu vivia pra comer, hoje vivo e me alimento normal, não compulsivamente.
Essa vida nova que a redução de estomago me proporciona eu não troco por nada, faria tudo novamente.
Sempre me amei gordinha, nunca tive nenhum problema com o espelho, mas hoje após esses 02 anos, me olho e me amo mais!!!



quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Brasil é o 3º país do mundo que mais faz cirurgias de redução do estômago


Edição do dia 11/10/2012
11/10/2012 08h52 - Atualizado em 11/10/2012 08h52

Ministério da Saúde anuncia novas regras para a realização desse tipo de cirurgia, como cinco novos exames antes da intervenção cirúrgica.


Ministério da Saúde anunciou novas regras para a cirurgia de redução do estômago pelo SUS, além de incluir mais exames, a técnica mudou também e a idade mínima para cirurgia foi reduzida. A idade mínima para as cirurgias de obesidade, as bariátricas, na rede pública vai cair dos atuais 18 para 16 anos.
Você está acima do peso? É o caso de quase a metade da população do país, e 15% dos brasileiros são considerados obesos.
O Ministério da Saúde fez um ranking das capitais com maior índice de obesidade. Em primeiro lugar está Macapá, no Amapá, com 21,4% da população. Depois vem Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, com 19,6 %. Em terceiro Natal, no Rio Grande no Norte, com 18,5% dos habitantes e em quarto, Fortaleza, no Ceará, com 18,4% dos moradores obesos.
Gabi é um exemplo. Ela se prepara para fazer a cirurgia bariátrica, conhecida como redução do estômago. “Eu tenho que perder uns 44 quilos para, fisicamente era outra pessoa. Estou sendo preparada para ter qualidade de vida, para mudar meus hábitos”, conta Gabrielle Vieira, estudante.
O Brasil é o terceiro país do mundo que mais faz cirurgias de redução do estômago. Só nos hospitais públicos foram feitas no ano passado cinco mil cirurgias. Pessoas com a chamada obesidade mórbida têm de 6 a 12 vezes mais chance de morrer do que alguém com peso normal. É que aumentam os riscos de doenças do coração, de circulação, fora a diabetes, problemas do sono, alterações hormonais e sexuais.
Alimentação errada e falta de exercício também têm levado adolescentes a extrapolar o peso.
Tanto que a partir de janeiro, de acordo com o ministro da Saúde, as cirurgias no SUS serão autorizadas a partir dos 16 anos.
“Na década de 70, tínhamos cerca de 3% da população adolescente, acima do peso. Hoje chega a ser quase 22% da população acima do peso”, diz Alexandre Padilha, ministro da Saúde.
E o médico alerta: profissionais têm que ser criteriosos na indicação cirúrgica. Hoje, segundo ele, 50% dos pacientes que chegam ao consultório precisam é mudar os hábitos de vida.
“As pessoas precisam entender isso, que aquelas pessoas que comem mais a noite, no final da tarde, são pessoas com mais propensão a desenvolver obesidade. Os grandes comedores de doce são as pessoas que vão desenvolver obesidade e os comedores de carboidratos, massas, vão ser obesos no futuro. Precisamos ter essa orientação”, explica afirma Ronaldo Cuenca, professor da UNB.
E cinco novos exames passarão a ser obrigatórios antes da cirurgia. A cirurgia é uma solução para muita gente, mas o importante é mudar e saber o porquê as pessoas tem esses hábitos. Comer de forma mais leve à medida que o dia vai terminando e também tem que ver a ansiedade, o ritmo e que tipo de vida se tem.
Fonte: TV GLOBO
 

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Síndrome de Dumping - um efeito colateral da cirurgia bariátrica


A cirurgia bariátrica para o tratamento da obesidade têm obtido uma enorme popularidade entre pacientes e médicos.No entanto, a cirurgia antiobesidade não é distituída de riscos e efeitos colaterais.Um complicação comum desta cirurgia é a Síndrome de Dumping (SD).

A SD também é chamada de "esvaziamento gástrico rápido", ocorre quando a parte inferior do intestino delgado (jejuno) enche-se rapidamente com alimento não digerido no estômago, causando desagradáveis efeitos digestivos.A SD também pode ser desencadeada em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica devido ao consumo de carboidratos simples (açúcar, balas e doces) ou carboidratos com alto índice glicêmico.

Tipos de Síndrome de Dumping

Há duas variantes da SD: precoce e tardia.A SD precoce normalmente começa durante ou imediatamente após uma refeição.Os primeiros sintomas da SD são: cólicas abdominais, inchaço, palpitações, náuseas, vômitos, inchaço, diarréia e falta de ar.Em contrapartida, a SD tardia ocorre normalmente 1 até 3 horas após a ingestão.Os sintomas da SD tardia incluem: tonturas, fraqueza e fadiga.

O que causa Síndrome de Dumping?
A cirurgia bariátrica é a principal causa da SD, porque ele altera a anatomia e o funcionamento digestivo normal do estômago, e também (no caso de bypass gástrico), do intestino delgado.Ela também pode reduzir a quantidade de sucos digestivos do estômago e do pâncreas.

Tratamento da Síndrome de Dumping
Pacientes que sofrem de SD precisam mudar os seus hábitos alimentares: consumir várias pequenas refeições por dia - de preferência incluindo alimentos que são mais pobres em carboidratos, especialmente os açúcares refinados. Além disso, eles não devem beber líquidos com a comida.Por último, os doentes devem assegurar que todos os alimentos sejam mastigados completamente.
Síndrome de Dumping - um indicador de má alimentação após a cirurgia bariátrica
A SD não acarreta um grande risco para a saúde.Pelo contrário, é um indicador que os pacientes submetidos à cirurgia bariátrica estão comendo em excesso ou muito rápido ou ainda, ingerindo alimentos riscos em açúcares.Na prática, a maioria dos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica não apresentam mais do que 2 ou 3 episódios graves de SD.
 
 
 
Matéria modificada em Seg, 01 de Novembro de 2010 09:50

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Lanche Natural


Atum no pão multigrãos
Rendimento: 4 porções
Tempo de preparo: 20 minutos
Ingredientes 
- 4 pães integral multigrãos - 1 lata de atum light - 4 colheres (sopa) de maionese light - 1 cenoura grande ralada - 2 colheres (sopa) de salsinha picada - 4 colheres (sopa) de milho - 1 xícara (chá) de azeitonas verdes picadas n ½ maço de alface - 1 tomate cortado em rodelas finas - 2 colheres
(sopa) de suco de limão - Azeite virgem
Modo de preparo
1. Faça um patê misturando em uma tigela o atum, a maionese, a cenoura ralada, o milho, a azeitona, a salsinha, o suco de limão e um fio de azeite.
2. Passe o patê em metade dos pães.
3. distribua a alface e os tomates cortados.
4. Sirva frio.



Revista: Dieta Já 

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

10 PASSOS PARA ESCOLHER SEU CIRURGIÃO PLÁSTICO



É de extrema importância seguir estas dicas, pois é ao cirurgião plástico que você entregará seu corpo e sua saúde. Uma série de fatores devem ser levados em consideração para que a escolha seja bem feita. Confira os principais pontos


-Faça uma lista com nomes de cirurgiões plásticos indicados por amigos, vizinhos, familiares, colegas de trabalhos… Também procure sugestões com médicos de confiança, como o ginecologista.

-Ser membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica é essencial e uma garantia da qualificação profissional. Afinal, para obter o título de especialista em cirurgia plástica é preciso fazer dois anos de residência em cirurgia geral, somados a três anos de residência em cirurgia plástica, além de um rigoroso exame de aprovação. Cheque essa informação pelo site www.cirurgiaplastica.org.br.

-Verifique se o cirurgião participa de cursos, jornadas e congressos. É importante o profissional estar atualizado.

-Confira o histórico do médico no Conselho Regional de Medicina (CRM) – é a instituição que registra todos os profissionais de saúde e também fiscaliza e acompanha a carreira de cada um deles.

-É importante checar se os profissionais estão credenciados em hospitais de boa reputação, o que significa que ele foi aprovado pelas normas regimentais do corpo clínico daquela instituição.

-Converse com pacientes que já tenham operado com o médico e pergunte tudo para essas pessoas: se ficaram satisfeitas com o resultado, se foram bem tratadas, se sentiram segurança…

-Outra maneira de avaliar o trabalho são as fotografias de documentação de antes e depois – nesse caso, é preciso que o paciente exposto autorize a exibição das imagens.

-Depois de todas essas etapas, selecione dois ou três nomes e faça uma visita. Preste atenção desde a decoração do ambiente até a preocupação com higiene, limpeza e bom atendimento.

-Durante a consulta perceba se ele esclarece suas dúvidas e note sua preocupação em transmitir o que acontecerá durante a cirurgia.

-Depois de tudo analisado, opte pelo cirurgião que preencher todos os requisitos e que, acima de tudo, transmitir segurança.


Leia essa e outras matérias na Plástica & Beleza n° 127.
http://www.plasticaebeleza.com.br

PLÁSTICA A CUSTO ZERO

Sabia que isso existe? Mas antes de ficar toda animadinha, saiba que há longas filas de candidatos, limites de cirurgias e critérios para a seleção dos pacientes contemplados. Leia com muita atenção a matéria a seguir antes de correr para a fila de espera



Imagine a cena: uma mulher com 35 anos, casada, mãe de dois filhos, auxiliar administrativa e salário mensal de R$ 1,5 mil. Ela está insatisfeita com o seu abdômen, que ganhou flacidez depois das duas gestações. Ela sonha em fazer plástica e está ciente de que terá de desembolsar os gastos que envolvem o processo: consultas médicas, exames pré-operatórios, hospital, cirurgião plástico e enfermeiros, medicamentos, cintas e sessões de drenagem linfática no pós-operatório, além de ser necessário ter uma quantia de reserva para possíveis eventualidades. O problema é que seu salário já está quase que completamente comprometido com as mensalidades da escola dos filhos, contas de casa, supermercado, planos de saúde… Essa cena é fictícia, porém é similar a história de muitas mulheres por aí. Mas ao contrário de ficarem desanimadas, estas mulheres podem começar a dormir mais tranquilas, pois o sonho de realizar essa desejada plástica pode estar bem mais perto do que elas imaginam.
Existe a possibilidade de fazer uma cirurgia plástica sem pagar nada por isso. Há hospitais que oferecem o serviço de plástica gratuitamente. Principalmente os “hospitais escola” (que fazem parte de alguma faculdade de Medicina). Isso porque os residentes que optam pela especialidade de Cirurgia Plástica precisam praticar antes de colocar a mão na massa de verdade. Dessa forma, eles aprendem a lidar com as angústias e expectativas típicas dos pacientes nessa fase, bem como aprendem o dia-a-dia da profissão, com seus obstáculos e imprevistos. Além, é claro, de colocarem em prática o que aprenderam nos livros e na sala de aula. Mas vale lembrar que os residentes, apesar de estarem em busca de prática, não são totalmente despreparados. Se estão ali, é porque passaram por anos de estudo e receberam orientação suficiente para operar uma pessoa. Além disso, estão sempre (mesmo!) acompanhados de professores que supervisionam a cirurgia e ficam a postos para entrar em ação em possíveis imprevistos e complicações. Quem já operou em “hospitais escola” garante que o serviço não deixa nada a desejar. “Eu precisava operar meu nariz, pois tinha desvio de septo e isso atrapalhava minha respiração. Como na época era estagiária, não conseguiria bancar uma plástica com meu salário procurei um serviço gratuito em um hospital escola em Santos. Desde o começo fui informada das condições e aceitei, pois me passaram muita segurança. A cirurgia foi um sucesso, obtive o resultado que desejava e todo o processo foi bem tranquilo”, diz a jornalista Gisele Malone.

Cada caso é um caso
Como cada entidade é uma, os critérios para selecionar os candidatos que irão usufruir deste serviço varia bastante. Em alguns casos, são realizadas apenas cirurgias reparadoras (como seqüelas de queimados, redução mamária, traumatismos ou deformidades congênitas, por exemplo), outros abrem espaço para procedimentos estéticos também. Em algumas situações, apenas pessoas de baixa renda são beneficiadas, em outros casos não existe esse critério. De uma forma geral, os pacientes passam por consulta com um especialista, que irá avaliar o quadro, definir se ele se encaixa ou não nos critérios da entidade, são avaliados por um psicólogo, quando for o caso, e só depois será encaminhado para a plástica.

Fila de espera
É preciso ficar claro que não significa que, ao ser aprovado, o paciente irá fazer a cirurgia na semana seguinte. Mais uma vez, entra em questão a peculiaridade de cada entidade. Tudo depende da quantidade de candidatos do hospital, do número de operações realizadas, da frequência com que elas acontecem… Afinal, é inviável disponibilizar toda a equipe e todas as cirurgias para esse serviço, pois existem outros casos a serem atendidos pela equipe de cirurgia. Alguns hospitais garantem a operação após uma semana, enquanto outros chegam a ter uma fila de espera de até cinco anos. É preciso paciênca!

Serviço 100% grátis
Quando falamos na questão financeira de uma cirurgia plástica, sabemos que há muitos custos envolvidos nesse processo: exames pré-operatórios, consultas médicas, cirurgião plástico, anestesista, hospital, enfermeiros, medicamentos, cuidados pós-operatórios, próteses de silicone (quando for o caso)… E é justamente a soma de tudo isso que encarece o procedimento e espanta as pessoas. Nestes serviços gratuitos dos quais estamos falando, pode ou não ser gratuito, mais uma vez vai depender. Não existe um padrão, já que em alguns hospitais o serviço é, sim, 100% gratuito do princípio ao fim, mas alguns isentam o pagamento apenas dos cirurgiões plásticos. E Plástica & Beleza faz um alerta importante: informe-se muito bem antes de se candidatar a qualquer cirurgia plástica gratuita. É essencial ter em mente que você pode não ter a indicação para usufruir desse serviço e poderá demorar anos até conseguir realizar a tão sonhada operação.

O mapa da plástica gratuita
Listamos alguns locais em todo o Brasil que oferecem o serviço de cirurgia plástica gratuita. Informe-se antes pelo telefone a disponibilidade, a possibilidade e como fazer para se candidatar.

Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro – RJ
Na 38° Enfermaria, criada em 1949 pelo professor Ivo Pitanguy, 30% das cirurgias realizadas são gratuitas. Estas são feitas com recursos da Santa Casa, do SUS ou de doações. Porém, são realizadas apenas cirurgias reparadoras, que corrigem sequelas de queimaduras, traumatismos e deformidades congênitas. A equipe conta com 40 médicos e 20 cirurgiões plásticos que fazem a supervisão das cirurgias e realizam os procedimentos de maior complexidade. Algumas cirurgias são realizadas por residentes, acompanhados por médicos.
Como funciona: o paciente agenda uma avaliação com um assistente social da Santa Casa e, caso necessário, é encaminhado ao nutricionista ou psicólogo. A 38º Enfermaria da Santa Casa de Misericórdia fica na Rua Santa Luzia, 206 e as inscrições acontecem às segundas e terças feiras, sempre a partir das 8 horas.
100% gratuito? Apenas os exames pré-operatórios são feitos à parte e, portanto, cobrados. O restante é gratuito.
Fila de espera: depende da procura na época em que for realizada a cirurgia, mas pode chegar até um ano de espera.
Contato: (21) 2240-5564.

Unisanta – Santos
No ambulatório de cirurgia plástica da entidade, coordenado pelo cirurgião plástico Ewaldo Bolívar, são oferecidos todos os tipos de cirurgia plástica, reparadoras ou estéticas. O atendimento médico gratuito é realizado pelos residentes do Curso de Especialização em Cirurgia Plástica da Universidade Santa Cecília. Os pacientes são operados no Hospital Santos Day Clínica.
Como funciona: basta comparecer ao Ambulatório de Cirurgia Plástica da Universidade Santa Cecília (Rua Cesário Mota, 23 – Boqueirão – Santos/SP). O horário de funcionamento é de segunda à sexta-feira, das 13h às 17h. Às segundas e terças-feiras há o expediente matutino, das 8h30 às 12h30. Após a consulta com o médico, o paciente é encaminhado a receber o orçamento com o valor do procedimento (despesas hospitalares, anestesista) e, se optar em realizar, deverá fazer todos os exames pré-operatórios indicados pelo médico.
100% gratuito? Não, o paciente é responsável pelos custos da internação, anestesia e despesas pós-operatórias.
Fila de espera: Não há.
Contato: (13) 3222-2471.

Hospital Universitário São José – MG
No hospital, são realizadas todas as cirurgias plásticas reparadoras, inclusive crânio maxilo facial, gigantinomastias, abdominoplastia e grandes lipodistrofias, entre outras. Quem realiza o procedimento são os residentes em cirurgia plástica que já cursaram pós-graduação em cirurgia geral e são supervisionados pelo cirurgião plástico professor.
Como funciona: a pessoa é encaminhada pelo SUS , através da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A prioridade são os casos mais graves, câncer de pele, fraturas e segue-se o fluxo de seleção da SMS. A consulta é agendada pela SMS e feita no ambulatório do hospital. Em situações especiais são feitas consultas psicológicas, como em casos de transexualismo e patologias que interferem na esfera emocional do paciente. Em seguida, faz-se os exames, risco cirúrgico, agendamento, cirurgia e acompanhamento pós-operatório.
100% gratuito? Sim, pois o procedimento é pelo SUS.
Fila de espera: em torno de 30 a 40 dias.
Contato: (31) 3299-8100.

Santa Casa de São Paulo – SP
São realizados todos os tipos de cirurgia plástica, porém, aproximadamente 90% delas têm caráter predominantemente reparador e 10% têm caráter predominantemente estético. A maior parte das cirurgias é realizada pelos residentes, uma vez que o serviço é voltado para a formação deles, mas sempre há acompanhamento de um professor.
Como funciona: os pacientes passam por uma triagem na própria Santa Casa e, a partir dali, quem tiver a indicação é encaminhado para a cirurgia plástica. No setor, a pessoa terá acesso a todos os exames necessários, agendará a cirurgia e terá o acompanhamento pós-operatório.
100% gratuito? Sim, o paciente não tem custo algum. Não há um tempo exato, mas dura, em média, cinco anos. No entanto, dependendo do perfil e gravidade do quadro, a pessoa pode operar em menos tempo.
Contato: (11) 2176-7000.

Secretaria Municipal de Saúde – São Paulo
Segundo a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), médicos das Unidades Básicas de Saúde (UBS) são os responsáveis por encaminhar pacientes que necessitam de cirurgia plástica reparadora para uma Central de Regulação através do Sistema Integrado Gestão de Atendimento (SIGA Saúde), um sistema desenvolvido pela SMS para agilizar e facilitar os agendamentos e atendimentos de usuários da rede.
Como funciona: uma vez encaminhado pela UBS, a Central de Regulação verifica a disponibilidade de vagas nas unidades de saúde parceiras da SMS e faz o agendamento de acordo com as vagas e as prioridades. Além dos encaminhamentos feitos via o SIGA Saúde da SMS, há um call center da Secretaria Estadual da Saúde (SES), que realiza agendamento online de consultas em unidades estaduais de especialidades. As unidades que são referências para os encaminhamentos são: IBCC – Instituto Brasileiro de Controle do Câncer, Hospital São Luiz Gonzaga, Hospital Municipal Infantil Menino Jesus, Hospital São Paulo. Destes, apenas o Hospital São Paulo é hospital escola.
100% gratuito? Sim.
Fila de espera: dados temporariamente indisponíveis, as informações serão disponibilizadas em breve.
Contato: pessoalmente na UBS mais próxima da região.



Por Lara Martins
http://www.plasticaebeleza.com.br/beleza-e-cia/2010/10/plastica-a-custo-zero/#

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Evolução de Perda de Peso





CIRURGIA BARIÁTRICA - REDUÇÃO DE ESTÔMAGO
CÁLCULO DA EVOLUÇÃO DE PERDA DE PESO




Peso inicial (Kg): 138
Peso atual (Kg): 76
Altura (m): 1,64
Data da cirurgia: 05/11/2010


Excesso Inicial (Kg): 70,76
IMC Inicial (Kg/m2): 51,31
Excesso Atual (Kg): 8,76
IMC Atual (Kg/m2): 28,26
Excesso de peso eliminado (%): 87,62
Resultado apurado Quarta, 18 de Julho de 2012 - 16:25


Cronograma de evolução prevista
1º mês (15-20%): 127,39 - 123,85
2º mês (25-30%): 120,31 - 116,77
3º mês (30-40%): 116,77 - 109,70
6º mês (45-55%): 106,16 - 99,08
9º mês (55-65%): 99,08 - 92,01
12º-18º mês (65-85%): 92,01 - 77,85


Software Cálculo da Evolução da Perda de Peso
Grupo Redução de Estômago - Facebook.
Desenvolvimento de Marcio Leal
Colaboração André Schleich
Referências técnicas Dra. Jacqueline Rizzolli (C.O.M. - PUCRS)


Fonte e site:http://dl.dropbox.com/u/20105045/index.html

Não perca tempo e vá no site http://dl.dropbox.com/u/20105045/index.html fazer o seu.

domingo, 15 de julho de 2012

Comidinha


Foto


Calça jeans


Fotos

 no dia da cirurgia 05/11/2010 - 01 ano e 08 meses operada 05/07/2012
  no dia da cirurgia 05/11/2010 - 01 ano e 08 meses operada 05/07/2012
  no dia da cirurgia 05/11/2010 - 01 ano e 08 meses operada 05/07/2012
 no dia da cirurgia 05/11/2010 - 01 ano e 08 meses operada 05/07/2012

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Receita de salada

Adoro essa salada, e achei uma receita com vídeo e tudo, por isso, não tem desculpa dá para fazer, eu que não manjo nada, irei fazer e dai posto foto.



                          Receita
  • 4 colheres de sopa de maionese
  • 2 dentes de alho grandes amassados
  • 1 colher de sopa de suco de limão
  • 4 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de chá de mostarda
  • sal e pimenta do reino a gosto
  • 1 pé de alface
  • 1 xícara de croutons
  • queijo parmesão ralado ou em lascas






domingo, 1 de julho de 2012


É uma história verdadeira.

Minha amiga trabalha em um brechó de um hospital, como voluntária.
Certo dia adentrou na loja uma certa "senhora bastante obesa", e de cara a minha amiga pensou que não tinha nada na loja na numeração dela. Se sentiu apreensiva e constrangida naquela situação, vendo a senhora percorrer as araras em busca de algo que minha amiga sabia que ela não encontraria.
 Ficou angustiada, porque não queria que a senhora se sentisse mal pelo tamanho das peças de roupas, se sentindo excluída e fazendo a questão sobre o seu sobrepeso vir à tona de forma implícita.
 Naquele momento minha amiga orou a Deus e pediu que lhe desse sabedoria para conduzir a situação evitando que a cliente se sentisse excluída ou humilhada na sua autoestima.
 Foi quando o esperado aconteceu. A senhora se dirigiu à minha amiga e disse tristinha:

“É... não tem nada grande, não é?
 E a minha amiga, sem até aquele momento saber o que diria, simplesmente abriu os braços de uma ponta a outra e lhe respondeu:
 “Quem disse??? Claro que tem!! Olha só o tamanho desse abraço! - E a abraçou com muito carinho.
 A senhora então se entregou àquele abraço acolhedor e deixou-se tomar pelas lágrimas exclamando:“Há quanto tempo que ninguém me dava um abraço.”
 E chorando, tal qual uma criança a procura de um colo, lhe disse:“Não encontrei o que vim buscar, mas encontrei muito mais do que procurava".
 E naquele momento, através dos braços calorosos de minha amiga, Deus afagou a alma daquela criatura, tão carente de amor e de carinho.
 Quantas almas não se encontram também tão necessitadas de um simples abraço, de uma palavra de carinho, de um gesto de amor.
 Será que dentro de nós, se procurarmos no nosso baú, lá nas prateleiras da nossa alma, no estoque do nosso coração, também não acharemos algo “grande” que sirva para alguém 

O meu abraço é tamanho GG !!



Acabo de ler esse texto no blog da minha amada amiga Meka, sinceramente chorei, sim chorei, pq ela é simplesmente uma amiga muito amada e muito querida, me deu total apoio na minha decisão de fazer a redução, mas mesmo eu tendo emagrecido serei sempre a gordinha, né amiga??? Te amo, obrigada por tudo!!!

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Reportagem bacana

http://g1.globo.com/platb/bem-estar-pensando-leve/2012/02/29/os-pros-e-contras-da-reducao-de-estomago/

Leiam!!!!


Dieta Líquida

Amigas e Amigos de grampo...rs, tudo bem com vcs? 
Estou ótima nos meus 1 ano e 07 meses de operada, com 62 kilos eliminados, estou pensando hoje 76 kilos, operei com o peso de 138 kilos.

Tô vendo aqui que temos muita gente recém operada e que estão na famosa dieta liquida, bom ninguém aqui sabe o quanto isso é ruim, diria péssimo até passar por ela, quem não passou e ainda vai passar com certeza diz, ah! vou tirar de letra, ah! mas sabemos disse desde que começamos, quem já passou vai dizer que é fácil, se ficamos aqui, vamos ter muitas opiniões, muitas parecidas e outras nem tanto.

Eu posso dizer uma coisa simples e que funcionou e muito comigo.
Foram exatamente 15 dias, claro que não foi fácil, mas tb não foi difícil, o que me incomodava e muito era a fraqueza e o sono que eu tinha, família chegou a achar que eu estava em depressão, mas claro que não e claro que era pela perda que eu estava tendo.
Passei exatamente os 15 dias, tomando os diversos líquidos autorizados, seja Gatorede, Água, Água de Coco, sopinhas opa caldinhos ralos...rs , sabe o que eu fazia ao ingerir os líquidos??? Dizia que era o que eu tinha pra hoje!!! Sentava com a família pro almoço, pro jantar, seja o que eles estavam comendo, pegava meu liquido e dizia, eu fiz uma escolha, eu fiz uma opção e isso é o que eu tenho pra hoje, e bebia, tomava o que tinha que ser tomado...confesso que passei por 15 dias tomando os líquidos numa boa, minha mãe fez até churrasco e eu apenas no liquido. O bom disso tudo é que não se tem fome, não se tem nenhuma fome, então Gente Força, Foco e Fé!!! que isso é apenas uma fase.

Boa sorte para todos que estão nela e para os que vão passar.



Caldo de Legumes 

Suco de Soja - sabor uva 

sábado, 16 de junho de 2012

O bom e o mau no fast food

Quando a fome aperta e o tempo é curto, encontrar uma refeição saudável e nutritiva pode ser uma verdadeira batalha. Mas quem vence e quem perde esse combate entre nutrientes?

Por carol nogueira fotos fabio mangabeira - Revista Saúde 





terça-feira, 15 de maio de 2012

Sobre cirurgias plásticas reparadoras pós-bariátrica e autorizações dos planos de saúde




Necessárias em 90% dos casos de gastroplastia, a cirurgias plásticas reparadoras para retirada de excesso de pele vêm sendo ilegalmente negadas pelos planos de saúde. Conheça aqui os seus direitos e o que você deve fazer caso seja vítima de abusos como esse.
É possível, ainda, pleitear indenização por danos morais.



A gastroplastia, ou cirurgia bariátrica, tem se mostrado como um dos tratamentos mais eficazes contra a obesidade mórbida nos últimos tempos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), somente em 2010, foram realizadas mais de 60.000 operações desse tipo no Brasil.


No entanto, apesar de colher benefícios como perda rápida de peso, melhoras e até desaparecimento da apneia do sono, diabetes tipo 2, problemas cardíacos e locomotores, os ex-obesos têm de lidar com um novo problema: o excesso de pele.


Consequência quase que inevitável da cirurgia de redução de estômago, as sobras de tecido epitelial depois do emagrecimento radical chegam a formar um "avental" sobre a barriga, sem contar as dobras nos braços e pernas, o que prejudica os movimentos, a autoestima e pode causar infecções no paciente.


Longe de serem um tratamento estético, as cirurgias plásticas reparadoras, após a redução de estômago, são necessárias em 90% dos casos, afirmam os especialistas. "A necessidade varia conforme a idade, a genética e o sedentarismo. Mas, de um modo geral, trata-se de uma pele que foi submetida a estiramento exagerado e perdeu as propriedades elásticas para voltar ao lugar", explica o cirurgião plástico Rodrigo Gimenez.


Apesar disso, os planos de saúde constantemente negam a cobertura para tais cirurgias, argumentando que se trata de intervenção com finalidade estética e que não há previsão no rol de procedimentos obrigatórios estipulado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS.


Em verdade, a conduta dos convênios é ilegal e fere direitos básicos do consumidor.


Com efeito, os Tribunais, inclusive o Superior Tribunal de Justiça, vêm decidindo que é ilegítima a recusa de cobertura das cirurgias destinadas à remoção de tecido epitelial, quando estas se revelarem necessárias ao pleno restabelecimento do paciente-segurado, acometido de obesidade mórbida, doença expressamente acobertada pelo plano de saúde contratado, sob pena de frustrar a própria finalidade do contrato.


Assim, encontrando-se o tratamento da obesidade mórbida coberto pelo plano de saúde contratado pelo paciente, a seguradora tem a obrigação de arcar com todos os tratamentos destinados à cura de tal patologia. Em outras palavras, deve o plano de saúde arcar com o tratamento principal, ou seja, a cirurgia bariátrica (ou outra que se fizer pertinente), e os subsequentes ou consequentes, que são as cirurgias destinadas à retirada do excesso de tecido epitelial resultante do emagrecimento radical.


Além disso, deve-se considerar que as cirurgias de remoção de excesso de pele(retirada do avental abdominal, mamoplastia redutora, dermolipoctomia braçal, entre outras) consistem no tratamento indicado contra infecções e manifestações propensas a ocorrer nas regiões onde a pele dobra sobre si mesma, o que afasta a tese defendida pelos convênios de que tais cirurgias possuem finalidade estética.


Em resumo, é direito do paciente que realizou a gastroplastia obter do plano de saúde contratado a cobertura para realização de todas as cirurgias plásticas reparadoras necessárias para retirada de excesso de pele, nos termos da solicitação médica, sob pena de se comprometer o próprio sucesso do tratamento contra a obesidade.


O que fazer em caso de negativa

Caso o (a) segurado (a) tenha seu pedido negado indevidamente, deve reunir os documentos (pedido médico, relatórios, negativa do plano de saúde, comprovantes de pagamento de mensalidades etc.) e procurar um advogado especialista em planos de saúde para ingressar com uma medida judicial contra o convênio.


Na maioria das vezes, o (a) paciente obtém, em poucos dias, uma antecipação de tutela (“liminar”) e já pode realizar a cirurgia.